No fim, devemos sempre fazer aquilo que acreditamos ser certo, mesmo que seja difícil.

- A Última Musica. (via p0rn-moments)

(Source: retratou, via blue-lolipop)

(Source: accidentul, via blue-lolipop)

Não entendo. Isso é tão vasto que ultrapassa qualquer entender. Entender é sempre limitado. Mas não entender pode não ter fronteiras. Sinto que sou muito mais completa quando não entendo. Não entender, do modo como falo, é um dom. Não entender, mas não como um simples de espírito. O bom é ser inteligente e não entender. É uma benção estranha, como ter loucura sem ser doida. É um desinteresse manso, é uma doçura de burrice. Só que de vez em quando vem a inquietação: quero entender um pouco. Não demais: mas pelo menos entender que não entendo.

- Clarice Lispector.   (via s-i-m-p-l-i-f-i-c-a-r)

(Source: recomendar, via s-i-m-p-l-i-f-i-c-a-r)

10knotes:


This post has been featured on a 1000Notes.com blog!

10knotes:

This post has been featured on a 1000Notes.com blog!

(Source: danielodowd)

E existem aquelas pessoas que por mais distantes que estejam, ainda continuam perto. Aquelas que, passe o tempo que passar, serão sempre lembradas por algo que fizeram, falaram, mostraram, pelo que nos fizeram sentir. É isso… As pessoas são lembradas pelos sentimentos que despertaram em nós… E quanto maior o sentimento, maior se torna a pessoa.

- Caio Fernando Abreu.  (via retratou)

(Source: cerimoniais, via retratou)

Gente que pede desculpas. Gente que assume estar com saudade. Gente que volta a falar contigo depois de discussões. Gente que vale a pena.

- Máh Soares. (via carencias)

(Source: florealista, via carencias)

Você fica quieto, enquanto acontece uma guerra dentro de você.

- Orquestrando.   (via retratou)

(Source: orquestrando, via retratou)

Então você pula, engole muita água, sente dor no corpo, cai em si, começa a mexer os braços e pensa: ou eu nado ou eu morro. E você decide viver. Mesmo que pra isso tenha que morrer nadando.

- Clarissa Corrêa.   (via matheussbarbosa)

(Source: auroriar, via matheussbarbosa)

Eu quero a sorte de um amor tranquilo,
Com sabor de fruta mordida,
Nós na batida, no embalo da rede,
Matando a sede na saliva.

- Cazuza.  (via carencias)

(Source: percorrido, via carencias)

Ela tem sérios problemas pra dormir, rola de um lado, rola de outro e não pega no sono de jeito nenhum. Ainda não sabe se sofre de insônia ou de lembranças.

- 400 histórias para contar.   (via autografia)

(Source: retratou, via autografia)

Acho que é mais do que ausência: é falta. A ausência, mal ou bem, sempre está por perto e sabe se fazer presente. A falta, não. É saudade morta. Um buraco profundo, talvez uma cova infinita que só a terra jogada pelas suas mãos, ausentes, conseguem tapar.

[saudade morta; antônio]

the-absolute-best-gifs:


This post has been featured on a 1000Notes.com blog!

the-absolute-best-gifs:

This post has been featured on a 1000Notes.com blog!

(Source: delreyinspiration)

Acabei me afastando de algumas pessoas. A gente sente direitinho quem quer o nosso bem. Se eu estou feliz e você gosta de mim, por favor fique feliz também. Se a sua vida é uma desgraça, desculpa, não tenho culpa. Se os seus sonhos e planos não deram certo, por gentileza, não descarregue em mim. Também tenho sonhos e planos que não se concretizaram e nem por isso sou amargo. Nem por isso não desejo a sua felicidade. Sempre disse e repito: é fácil ser solidário quando tudo está uma merda. É fácil esticar a mão, ficar ao lado, ouvir as tragédias. Difícil mesmo é ficar feliz lá no fundo quando o outro conquista alguma coisa. Quando ele se dá bem. Quando ele está com o coração sorrindo. A gente percebe direitinho sorrisos amarelos, olhares não sinceros. Acho isso tão pequeno. Se você gosta de alguém, se é amigo de alguém é obrigação ficar feliz pela pessoa.

- Clarissa Corrêa.    (via s-i-m-p-l-i-f-i-c-a-r)

(Source: embriagar-se, via s-i-m-p-l-i-f-i-c-a-r)

É que eu nunca quero o que eu acho que queria, sabe? Nunca me basto, nunca me bastam. Tem sempre algo faltando quando nada deveria estar faltando. Eu quero mais, eu quero tudo, eu quero o mundo. Não só a metade de alguma coisa, um sentimento morno, algo normal. Quero o que eu ainda nem sei se existe, e de vez enquanto dá um desanimo tremendo de procurar. E se no final for só isso mesmo? Essa busca inalcançável por algo que não tem nome, algo que seja suficiente pra mim, que baste. Nadar e nadar e morrer na praia.

- Iolanda Valentim.  (via s-i-m-p-l-i-f-i-c-a-r)

(Source: ivalentim, via s-i-m-p-l-i-f-i-c-a-r)

(via letsput-asmileonyourface)

97